Viva São João
Viva o milho verde
Viva São João
Viva o brilho verde
Viva São João
Das matas de Oxóssi
Viva São João


Gil e Caetano
Próximos eventos

  Estilo Único da Festa Junina Brasileira

Cidades na web e o folclore na rede: a transposição do folclore na Internet

Festas de São João nas igrejas do Santo Daime

Danças Juninas: Fandango, Bumba-meu-boi, Lundu e Cateretê

Festividades a São João: singularidades pelo Brasil e no Amapá e o "Maior Cuscuz do Mundo"

As Comemorações Juninas no Brasil: As relações sociais e o compadrio

O dia de São João na Sardenha

Origem das Festas Juninas: As lendas de Tamuz e Adônis

Festa Junina Portuguesa: As Tradições Trazidas De Portugal

Luiz Gonzaga e o Cordel do Fogo Encantado

Conheça o vocabulário de Parintins, terra de Caprichoso e Garantido

Economia criativa e festas juninas

Significados do Festejar no País que 'Não é Sério'

De onde é que vem o baião?

MÍDIA, IDENTIDADE CULTURAL NORDESTINA: festa junina como expressão

Festa Junina

A arte dele ninguém apaga, diz Dominguinhos sobre Luiz Gonzaga

As Maiores Festas Juninas do Brasil

Notícias 2011
Notícias 2010
 

"São João", poesia por Paulo Setúbal

Por Eduardo Frota

A poesia abaixo é de autoria de Paulo Setúbal (1893 - 1937). Advogado, escritor brasileiro, trabalhou como colaborador do jornal O Estado de S. Paulo, foi deputado estadual de 1928 a 1930 e renunciou ao mandato por ter agravada sua tuberculose.


"São João"

Paulo Setúbal

A Luiz Piza Sobº

—-

É noite… O santo famoso,

O doce, o meigo S. João,

Tivera um dia glorioso,

Dia de festa e de gozo,

Que encheu de estrondo o sertão.





Já cedo, em meio aos clamores,

Aos vivas do poviléu,

Lindo, enramado de flores,

Um mastro de quentes cores,

Subira em triunfo ao céu!

—-

—–

E agora, enquanto, alva e lesta,

Palpita a lua hibernal,

Na fazenda, toda festa,

Referve a alegria honesta

Da noite tradicional.

—-

—-

Dentro, com grande aparato,

Brilha enfeitado o salão:

Que há, nessa festa do mato,

Pessoas de fino trato,

Chegadas para o S. João…

—-

—-

Destaca-se entre essa gente

A flor do mundo local:

O padre, o juiz, o intendente,

– O próprio doutor Vicente

Que é deputado estadual!





Ante o auditório pasmado,

Que, num enlevo, sorri,

A Isabelinha Machado

Batuca, sobre o teclado,

Uns trechos do Guarani…

—-

—-

Tudo o que toca e assassina,

Recebe imensa ovação;

Todos, quando ela termina,

Põem-se a exclamar: ” Que menina!

Dá gosto! Que vocação!”



—-

E ela, entre ingênua e brejeira,

Com ares de se vingar:

” Agora, queira ou não queira,

Seu Saturnino Pereira

Há de também recitar.”





Surge, à força o Saturnino…

Rugem palmas ao redor!

É um tipo, esgalgado e fino,

Que sabe desdde menino,

Dizer Castro Alves de cor.





Na sala, muda e tranquila,

Tombam, com chama, os versos seus;

E ele, o letrado da vila,

Ao som da velha Dalila,

Lá vai: ” Foi desgraça, meu Deus...”

—-

—-

Após ouvir a estupenda

Flamância do seu falar,

No amplo salão da fazenda,

Os velhos jogos de prenda

Reclamam o seu lugar.

—-

—-

Começa então a berlinda.

Risos. Cochichos. Zum-zum.

– De pé, donairosa e linda.

Pergunta a D. Florinda

Os dotes de cada um:





Por que razão, seu Martinho,

Foi à berlinda a Lelê?

– ” Porque olha muito ao vizinho”;

“Porque é má; porque é um anjinho”;

“Porque é vaidosa”; “porque…”

—-

—-

E todo o mundo, a porfia,

Põe farpas na indiscreção…

E enquanto, ingênua e sadia,

Essa campônea alegria

Faz tumultuar o salão.

—-

—-

Lá fora, alegre e gabola,

Nun terreiro de café,

Ao rude som da viola,

A caboclada rebola

Num tremendo bate-pé!

—-

—-

A filha do Zé-Moreira

É o mimo deste São João;

À luz da rubra fogueira,

Requebra a guapa trigueira

Ao lado de Chico Peão.

—-

—-

Candoca, a noiva do Jango,

Baila num passo taful;

É a flor que, nesse fandango,

Tem lábios cor de morango,

Vestido de chita azul.



—-

No sapateio se nota,

Aos risos dos que lá estão,

Nhô Lau, de esporas e bota.

Dançando junto à nhá Cota,

Viuva do Conceição….

—-

—-

A voz do pinho que chora,

Por sob a paz do luar,

Fremindo vai, noite afora,

Essa alegria sonora

Da caboclada a bailar!



—-

E do salão, qua ainda brilha

Num faiscante esplendor,

Chegam os sons da quadrilha,

Que alguém ao piano dedilha

Com indomável furor.



—-

E no sarau campezino,

Nessa festa alegre e chã

Ruge a voz do Saturnino,

Que grita, esgalgado e fino:

“Balancez! Tour! En avant...”

—-

—–

Em: Alma cabocla, Paulo Setúbal, São Paulo, Ed. Carlos Pereira:s/d, 5ª edição [ Primeira edição foi em 1920]

Fonte: Peregrinação Cultural
24.06.2010

 

Busca
Deixe seu e-mail para receber notícias