Viva São João
Viva o milho verde
Viva São João
Viva o brilho verde
Viva São João
Das matas de Oxóssi
Viva São João


Gil e Caetano
Próximos eventos

  Notícias 2011
Notícias 2010
 

São João, o festeiro

São João Batista era filho de Zacarias e de Santa Izabel. Chamava-se “Batista” porque ele batizava as pessoas.

São João tem o respeitável título de "santo festeiro". O dia 24 de junho, quando se celebra o dia do seu nascimento, é o ponto alto das festas juninas, recheadas de muita dança, em especial o forró. Consagrado por Jesus como o último e maior dos profetas, o santo é conhecido como protetor dos casados e enfermos, principalmente no que se refere a dores de cabeça e de garganta.



Alguns símbolos são conhecidos por remeterem ao nascimento de São João, como a fogueira, o mastro, os fogos, a capelinha, a palha e o manjericão. As fogueiras têm forma de uma pirâmide com a base arredondada. Reza a lenda que os fogos de artifício soltados no dia 24 têm como objetivo "acordar" São João. A tradição acrescenta que ele adormece no seu dia pois, se ficasse acordado vendo as fogueiras, não resistiria e desceria à Terra.

O levantamento do mastro de São João é feito pelo "capitão" no anoitecer da véspera do dia 24. Composto por uma madeira resistente, roliça, uniforme e lisa, o mastro carrega uma bandeira que pode ter dois formatos: em triângulo com a imagem dos três santos celebrados na festa, São João, Santo Antônio e São Pedro; ou em forma de caixa, com apenas a figura de São João do carneirinho. A bandeira é colocada no topo do mastro por uma criança que lembre as feições do santo. O levantamento é acompanhado pelos devotos e por um padre que realiza as orações e benze o mastro.

Uma outra tradição muito comum é a lavagem do santo, que é feita por seu padrinho, pessoa que está pagando por alguma graça alcançada. A lavagem geralmente é feita à meia-noite da véspera do dia 24 em um rio, riacho, lagoa ou córrego. O padrinho recebe da madrinha a imagem do santo e lava-o com uma cuia, caneca ou concha. Depois da lavagem, o padrinho entrega a imagem à madrinha, que a seca com uma toalha de linho. Durante a lavagem é comum lavar os pés, rosto e mãos dos santos com o intuito de proteção. Porém, diz a tradição que se alguma pessoa olhar a imagem de São João refletida na água iluminada pelas velas da procissão, não estará vivo para a procissão do ano seguinte.
11.06.2010

 

Busca
Deixe seu e-mail para receber notícias