Viva São João
Viva o milho verde
Viva São João
Viva o brilho verde
Viva São João
Das matas de Oxóssi
Viva São João


Gil e Caetano
Próximos eventos

  Cai Cai Balão ~ Ritmo "Jazz"

Gonzaguinha e Gonzagão conta a vida de dois gigantes da música brasileira

Discografia de Luiz Gonzaga ganha reedição completa em seu centenário

MÚSICA - Releitura da sanfona centenária do Rei do Baião

Notícias 2011
Notícias 2010
 

As origens da sanfona

Origem

Há quase 5 mil anos surgia o mais primitivo ancestral da sanfona hoje conhecida: o cheng. Criado na China, o instrumento era formado por um recipiente de ar, um canudo de sopro e tubos de bambu. Esse intrigante invento chamou a atenção de muitos curiosos, entre eles os fabricantes europeus de instrumentos Friedrich Ludwig Buschman e Cyrillus Demien. Em 1822, Ludwig criou um instrumento de sopro um pouco mais elaborado, utilizando ainda o sistema de palhetas. Sete anos depois, Demien acrescentou o fole àquela engenhoca, patenteando a sua invenção com o nome de acordeon, devido aos acordes obtidos através da manipulação de seus quatro botões.



A Chegada ao Brasil

Foram as imigrações alemã e italiana as responsáveis pela chegada da sanfona no Brasil, especialmente para os estados de São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. O instrumento era utilizado como forma de representação das tradições daquelas comunidades, através da execução de ritmos diversos, como o fado, a valsa e a polca. Nas diferentes regiões por onde passou, o acordeon foi ganhando características locais, assim como diferentes nomes: sanfona, no Nordeste; gaita, gaita de foles, realejo, no Sul. Luiz Gonzaga foi o grande responsável por popularizar o instrumento.

Sanfona Pé-de-bode: a mais difícil

A sanfona de oito baixos, também conhecida como pé-de-bode, fole de 8 baixos, fole, harmônica ou simplesmente 8 baixos, faz parte da memória musical e afetiva do Nordeste, verdadeiro patrimônio cultural sertanejo. Muito popular no meio rural nordestino, está presente em todos os momentos de festividade e diversão das comunidades dos pés-de-serra. É responsável pela iniciação dos grandes ícones da sanfona nordestina, como Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Sivuca e outros.

A Sanfona pé-de-bode é considerada pelos sanfoneiros um dos instrumentos mais complicados de tocar, em grande parte pelo jogo de fole obrigatório. A tradição do fole de 8 baixos é uma arte que atualmente é dominada por poucos. Esse instrumento recebe, no Nordeste, uma afinação diferente, única no mundo, utilizada somente pelos sanfoneiros dessa região do Brasil. Assim, o instrumento ganha maiores recursos, ampliando as possibilidades de execução musical.

Video histórico: Pequeno trecho do programa Som Brasil, da década de 80, com Luizinho Calixto, Zé Calixto e Abdias.


11.06.2010

 

Busca
Deixe seu e-mail para receber notícias